Category

Planejamento

Category

Guia para viajar para a Índia

Incredible India. Esse é o slogan do país e não tinha como ser mais exato. E são todos os lados do inacreditável. Fortes imponentes e palácios impressionantes são cercados pela pobreza e sujeira. Yoga e meditação se misturam – ou tentam gerar um equilíbrio – à multidão e o transito mais caótico do mundo. A crença no karma e reencarnação pelos hindus contrapõe aos pequenos golpes que tentam dar nos turistas a todo tempo.

Quanto dias ficar na Índia

A Índia é um país enorme, com regiões totalmente diferentes uma das outras, tanto em cultura como em culinária e atrativos. Por isso foi tão difícil conseguirmos montar nosso roteiro e já temos uma lista de lugares para conhecer quando voltarmos à Índia.

Conhecer a verdadeira Índia vai além de se encantar com os templos, fortes e palácios. É mais que hospedar em resorts, sonhar com a riqueza dos maharajas e comer pratos deliciosos e picantes. Você vai ver muita pobreza, sujeira e falta de saneamento. As buzinas e o trânsito louco vão te dar dor de cabeça em alguns momentos. Você vai também refletir sobre cultura, liberdade e machismo, principalmente se for mulher.

O mais fácil seria dizer para você ficar o máximo de tempo que puder. Assim, conseguirá conhecer vários lugares sem muita correria. Porém a Índia não é um país fácil de se conhecer e você poderá sair de lá cansado, não só físico, mas também mentalmente. É que é tudo muito diferente do que estamos acostumados. Foi o país mais intenso, impressionante e cansativo até agora! Me pergunto como teria sido a experiência se não estivéssemos viajando há mais de sete meses e se não tivéssemos conhecido outros países da Ásia.

A duração da sua viagem, porém, pode ser limitada dependendo do tipo de visto que você optar, por isso vale a pena pensar bem o roteiro antes de requerer o visto.

Como tirar o visto para a Índia

A Índia é um dos poucos países que visitamos que, para entrar precisamos solicitar o visto com antecedência. Existem vários tipos de visto para a Índia, dependendo do objetivo da viagem, sendo dois deles específicos para turismo. O site da embaixada traz todas as explicações sobre os tipos de visto.

Nós solicitamos o Visto de Turismo Eletrônico (e-TV) em razão da facilidade de todo o processo ser pela internet. Até mesmo o pagamento da taxa (atualmente de 60 dólares) é feito online, por meio de cartão de crédito ou débito.

Para jornalistas, um lembrete importante: para a Índia, pessoas que tenham a profissão de jornalista devem solicitar o visto de jornalista, mesmo que em viagem para fins de turismo.

Transporte

De uma cidade para a outra

Por causa de atentados terroristas que aconteceram no passado, os procedimentos de segurança nos aeroportos da Índia são muitos, ainda que para viagens nacionais. Então sempre se programe para chegar no aeroporto com bastante antecedência, pelo menos duas horas antes.

Além dos procedimentos de segurança, você pode pegar um motorista que não saiba realmente chegar no aeroporto. Em Mumbai, fomos parar na força aérea, que fica atrás do aeroporto. O motorista não percebeu o engano e entrou. De repente nos vimos parados, sem saber exatamente o que estava acontecendo, o motorista discutindo com o oficial (acabou tendo que pagar uma multa) e nós dois com medo de perder o voo. Ainda bem que saímos do hotel com 4 horas de antecedência, porque gastamos 2 horas só para chegar no aeroporto.

No Aeroporto de Mumbai, por exemplo, só é possível entrar no aeroporto caso você tenha uma passagem aérea emitida em seu nome, o que você precisa comprovar ao segurança logo na entrada, mostrando a o ticket (pode estar no celular) e o passaporte. A bagagem de mão é conferida por detectores da forma mais lenta que já vi e as filas para revista individual são separadas (de homem e de mulher).

No momento da revista, pode ser que a bagagem de mão esteja passando na esteira do detector, longe de você. Neste caso, não se esqueça de ter em mãos o cartão de embarque (que será carimbado) e o passaporte.

As principais companhias low costs da Índia são a Indigo e a JetAir e existindo uma opção de vôo com preço bom, pode valer a pena ir de avião.

delhi onibus

A maioria dos nossos deslocamento foram por ônibus, fizemos apenas dois de avião (Mumbai – Udaipur e Varanasi – Mumbai) e um de trêm (Delhi – Varanasi). Um bom site para olhar passagens de ônibus na Índia é o RedBus. Mas vale ressaltar que existem vários tipos de ônibus, alguns confortáveis e outros nem tanto. Então pode valer a pena pedir ajuda no hostel ou hotel para definir qual a melhor opção para aquele trecho.

Já as passagens de trem são bem difíceis de serem compradas por turistas. Para fazer o cadastro online, você precisa de um telefone local – e você só vai conseguir isso depois de chegar no país. Mas as passagens começam a ser vendidas meses antes e esgotam com uma certa rapidez, sendo gerada uma lista de espera. Existe uma cota para turista, mas se tiver ticket disponível você precisa comprar pessoalmente pelo International Travel Bureau. Por causa dessa confusão toda que só viajamos uma vez de trem por la. Para saber mais, recomendamos o Guia Prático escrito pela Luiza Antunes, do blog 360 Meridianos.

Como locomover dentro das cidades

Dentro das cidades, nós somos da teoria de ir caminhando sempre que possível. Para ir a lugares mais longes, o metrô (trem) é uma ótima opção em Mumbai e Delhi: os tickets da segunda classe custam apenas 0,25 reais e é até tranquilo, fora do horário de rush. Para as mulheres viajando sozinha, vale sempre usar o vagão exclusivo.

O tuc tuc, muitas vezes disponível, é a nossa última opção. Achamos bem chato negociar preço com  motoristas é muito chato, e mesmo quando conseguimos abaixar o valor para a metade do que eles pediram inicialmente, ainda ficamos com a impressão de que estamos pagando mais que o devido.

Muitas vezes trocamos o tuc tuc pelo Uber, mas nem isso é tão tranquilo na Índia. Tivemos caso de motorista que se recusou a dar a volta no mercado para nos deixar na frente do hotel (tivemos que descer com as mochilas e acabar de fazer o caminho a pé) e  alguns casos de pedidos cancelados. A dica é pedir o carro com antecedência, se tiver um compromisso (por exemplo, se for para o aeroporto) e ir acompanhando o mapa.

Internet e Celular

Podemos dizer que internet de qualidade é raro na Índia, pelo menos em hostels e guest houses. Até mesmo uma Starbucks  de Delhi nos surpreendeu ao não ter nenhuma rede wifi.

Para se manter conectado, o melhor mesmo é comprar um chip de dados (ou também com ligações e sms) logo que chegar no país.

Uma novidade super legal para quem optou pelo eVisa é que o Governo Indiano passou a fornecer um kit de boas vindas no aeroporto que inclui um sim card. Por enquanto, esse benefício está disponível apenas em Delhi, mas a promessa é de ampliar para os outros aeroportos internacionais.

Como nós chegamos por Mumbai, tivemos que comprar nosso sim card em uma loja. Nesse post aqui contamos direitinho o procedimento, os cuidados que você precisa ter e os documentos necessários.

Dinheiro

A moeda local é a rúpia e o único lugar que você consegue comprar rúpias legalmente é na própria Índia. Então, o jeito mais fácil é trazer dólares americanos em espécie e trocar em casas de câmbio, ou sacar rúpias nos ATMs usando um cartão travel money ou cartão de crédito.

A conversão média quando estávamos lá (março e abril de 2017) era: 20 rúpias = 1 real ou 65 rúpias = 1 dólar

Quanto custa viajar para a Índia

A Índia é um país famoso por ser barato. Ainda assim, não foi fácil nos manter dentro do nosso orçamento de 50 dólares por dia para o casal, incluindo as passagens.

Para ficar mais tranquilo, um casal viajando no estilo low cost pode planejar sua viagem para a Índia com 50 dólares por dia sem as passagens.

Para saber os detalhes dos nossos gastos pela Índia, confira nosso post Quanto custa uma volta ao mundo #7.

Em breve daremos todas as dicas para montar um roteiro de viagem pela Índia!

COMO MONTAR UM ROTEIRO PELO VIETNA - halong bay

Como montar um roteiro pelo Vietnã

O Vietnã é um país completo. Se você quer praia, ele têm; se quer o friozinho das montanhas, tem também; quer o caos das metrópoles, o silêncio da natureza, aula de história, arquitetura colonial… tudo isso você vê por aqui! E são tantos lugares para conhecer que pode parecer um pouco difícil montar um roteiro pelo Vietnã.