Grande parte dos viajantes, hoje, já sabe como funciona o Tratado de Schengen, na Europa, para os turistas brasileiros. Em resumo: não precisamos obter um visto para ficar até 90 dias (consecutivos ou não) para visitar, como turistas, um ou mais países signatários do tratado, dentro de um período de 180 dias.

O que é novidade para muita gente é que Nicarágua, Honduras, El Salvador e Guatemala têm um controle parecido para os vistos de turismo.

Para entrar em algum dos países desse grupo, chamado de Central América 4 (ou CA-4), o brasileiro não precisa obter um visto de turista antecipadamente, mas deve pagar uma tarifa de 10 Dólares Americanos.

Realizada a entrada, o turista brasileiro pode permanecer em um ou vários dos países do grupo por até 90 dias, sendo que a contagem não se reinicia quando ele se desloca entre esses países. Se desejar a renovação, ela poderá ser requerida por mais 90 dias em qualquer escritório da “Dirección de Migración y Extranjería”.

Nós entramos no grupo pela Nicarágua, ao cruzarmos a fronteira com a Costa Rica, no dia 01/10/2016. Nossa previsão é de permanecer apenas um mês nesses países, cruzando a fronteira da Guatemala com México no final do mesmo mês.

20161001_110959

A grande diferença é que, no caso do Tratado de Schengen, atingido os 90 dias, o brasileiro precisa viajar para algum país não signatário (seja da Europa ou de qualquer outra região) e somente retornar depois que for finalizada a contagem de 180 dias. Já para o CA-4, basta que o brasileiro viaje para um país não signatário (como o México) e permaneça por pelo menos 48 horas fora dessa área, antes de regressar.

Quando estávamos cruzando a fronteira de Honduras com El Salvador, um americano que estava no nosso shuttle teve problemas com a fiscalização migratória, já que estava há mais de 90 das dentro do CA-4. Depois de muita conversa com o fiscal, ele conseguiu uma autorização concedendo dois dias para que ele saísse dos países do grupo.

Para evitar sofrer qualquer penalidade relacionada ao descumprimento dessas normas (que pode implicar em deportação e até banimento por vários anos), é importante que o viajante esteja sempre atento aos prazos e permissões de cada visto.

LEIA TAMBÉM:   A saga do shuttle

Write A Comment