Saímos de Agra num misto entre o encanto pelo Taj Mahal e o cansaço pelo tumulto e sujeira. Precisávamos de um pouco de paz e tranquilidade, mas antes de chegarmos em Rishikesh ainda íamos conhecer Delhi, a capital da Índia famosa por seu caos.

Talvez porque esperássemos uma confusão muito mais intensa do que vimos nas outras cidades, Delhi nos surpreendeu positivamente com seus vários parques. Essas grandes áreas verdes – algumas vezes com ruínas de construções antigas, outras vezes com belos jardins – permitem relaxar e esquecer um pouco o caos das ruas.

Como chegar em Delhi

Chegando na cidade

Chegamos em Delhi no meio da tarde, depois de uma viagem rápida de ônibus desde Agra, que custou 500 rúpias (25 reais) para cada.

Já leu nosso post sobre Agra? Clique aqui para saber como conhecer o Taj Mahal

Porém, como capital do país, Delhi costuma ser a porta de entrada de muitos turistas que visitam a Índia. Se esse for o seu caso, lembre de tomar alguns cuidados para começar bem sua viagem pela Índia. A primeira coisa é providenciar um sim card para ter internet no celular. E, se não tiver combinado o pick up com o hotel, use um dos taxis licenciados ou peça um Uber.

Transporte em Delhi

Diferente de Mumbai, a segunda maior cidade que conhecemos na Índia, em Delhi os tuc tucs rodam para tudo quanto é lado e são a opção mais prática para quem tem a paciência de negociar ou não importa em pagar um pouco mais caro. Para quem tem acesso à internet, recomendamos o Uber pela tranquilidade e pelo ar condicionado, além de ser sempre mais barato que o tuc tuc. Dependendo de sua origem e destino, o metrô pode ser uma boa, já que as passagens custam apenas 20 rúpias (1 real).

delhi onibus

Onde ficar em Delhi

Quando chegamos na entrada do nosso hostel em Delhi bateu aquela dúvida de “será que estamos no lugar certo”, mas já estávamos levemente acostumados com a sensação. Subimos as escadas do prédio comercial e relaxamos quando confirmamos que era ali mesmo o Judaad Hostel.

O hostel funciona nos dois últimos andares do prédio e tem uma localização legal por ficar perto do aeroporto. Além disso, um Uber para os grandes atrativos da cidade sai em preços bem razoáveis. Ficamos em um dormitório com seis camas com banheiros privativos. Tudo bem limpo e novinho!

As áreas comuns são uma sala grande com ar condicionado, TV, sofás e puffs, no primeiro andar, e o rooftop no segundo andar. Pena que estava fazendo tanto calor que só conseguíamos ficar no rooftop à noite. Existem um livrinho com cardápios de restaurantes que entregam no hostel, mas para jantar recomendamos a comida caseira que eles oferecem por 150 rúpias (pouco mais de 7 reais). Foi uma surpresa deliciosa comer feijão pela primeira vez depois de quatro meses na Ásia!

LEIA TAMBÉM:   Roteiro de 10 dias pelo Camboja

E o melhor mesmo do hostel é a equipe. O staff é muito atencioso, sempre tem alguém para te dar uma dica, bater um papo ou te ajudar com o que você precisa. E eles orgizam eventos e walking tours gratuitos para os hospedes.

JUGAAD HOSTEL DELHI

Quanto dias ficar em Delhi

Apesar de ter muitos atrativos, achamos Delhi grande, tumultuada e quente. Dois dias inteiros são suficientes para conhecer as principais atrações da cidade.

O que fazer em Delhi

Lotus Temple

Esse é o último dos sete templos Major Bahai construídos pelo mundo e ficou conhecido pelo seu formato, que imita a flor de Lotus. Apesar de ser um templo novo, finalizado cerca de 30 anos atrás, ele logo se tornou um dos pontos turísticos mais famosos de Delhi.

Além da linda arquitetura do templo, premiada várias vezes, e dos jardins que os cercam, a visita vale também para entender um pouco sobre a crença Bahai. A ideia central é a unidade de homens, religiões e Deus. Para eles existe um único Deus, que já teve diversos mensageiros na Terra, como Krishna, Buda e Jesus. Então, o Lotus, como todos os templos Bahais, está aberto a pessoas de todas as religiões para rezarem e meditarem.

Achamos também super interessante como a Bahai se posiciona em relação à igualdade entre homens e mulheres: “The world of humanity has two wings, one is woman and the other is man. Not until both wings are completely developed can the bird fly” Abdu’l Bahá

Horário: 9:00 às 17:30, fechado na segunda feira
Valor: entrada gratuita

Mehrauli Archeological Park

O parque arqueológico Mehrauli é um complexo com mais de 100 estruturas históricas e é famoso por ser uma área continuamente habitado por mais de mil anos. Suas relíquias são, por tanto, de várias dinastias, com várias tumbas importantes e outros monumentos, como o stepwell Rajon ki Baoli.

Valor: entrada gratuita

Mesquita Jama Masjid

Finalizada em 1656, Jama Masjid é a maior mesquita da Índia, cabendo 25 mil devotos. Antes de entrar, você deverá pegar emprestado uma espécie de roupão.

A mesquita é muito bonita e imponente, com suas quatro torres e dois minaretes de 40 metros de altura. É considerada a última extravagância arquitetônica de Shah Jahan, que também construiu o Taj Mahal and o Red Fort.Como a visita não demora muito e a mesquita também fica em Old Delhi, é fácil seguir a pé para o Red Fort.

LEIA TAMBÉM:   Halong Bay: o paraíso no Vietnã

A única coisa que não curtimos é que a entrada na mesquita teoricamente é gratuita, porém cobram a taxa de fotografia de todos os turistas com máquina fotográfica ou até mesmo smartphone. E não adianta falar que não vai fotografar: ou você paga, ou não entra. Porém, vimos vários indianos entrando sem pagar a taxa e tirando várias fotos.

Horário: 07:00 às 12:00 e de 13:30 às 18:30. Porém turistas não podem visitar a mesquita durante os horários de oração
Valor: a entrada é gratuita, mas a taxa de fotografia é de 300 rúpias (cerca de 15 reais)

Red Fort

Sim, mais um forte! Mas como não fomos no forte de Agra, decidimos conhecer o Red Fort de Delhi. Diz a lenda que esse, que era o palácio da família real, era uma réplica do paraíso descrito no Alcorão.

Horário: 9:30 às to 16:30 horas
Valor: 500 rúpias  

Sobrou tempo?

Se tiver mais tempo em Delhi, você pode incluir em seu roteiro:

  • Qutab Minar: maior minarete do mundo (valor: a entrada custa 500 rúpias, ou 25 reais)
  • India Gate: o Arco do Triunfo indiano (valor: entrada gratuita)
  • Tumba de Humayun: mais antigo mausoléu mongol de Delhi(valor: a entrada custa 500 rúpias, ou 25 reais)
  • Akshardham Temple: complexo que reúne a essência da arquitetura, tradição e espiritualidade da Índia (valor: a entrada no complexo é gratuita, algumas exibições são cobradas)

Onde comer em Delhi

O que não falta em Delhi são opções de restaurantes, de comidas indianas ou não, e você não deve ter dificuldade de achar um lugar gostoso e que caiba no seu orçamento. Nós adoramos o jantar do hostel e também a comida indiana (e super barata) de um delivery ali de perto. Mas duas vezes deixamos nosso orçamento de lado para variar o estilo de comida:

Se quiser combinar um passeio com o jantar, uma dica é ir conhecer o Hauz Khas District Park e caminhar pelas ruelas da Hauz Khas Village. Você pode escolher um dos vários cafés ou restaurantes ali para comer, ou seguir até o Summer House Cafe que fica ou pouquinho mais distante.

Já para se sentir um local variando da comida tipicamente indiana, você pode comer um kabab no Khan Chacha e, depois, uma deliciosa fatia de bolo no The Big Chill Cafe.

Depois de Delhi, seguimos viagem para Rishikesh

*Ficamos hospedados no Hotel através de uma parceria com o Jugaad Hostel. Este review representa a nossa experiência e seu conteúdo é autentico e imparcial. 

Write A Comment