Conhecida como cidade azul por causa das casas no entorno do Forte, Jodhpur tem tudo o que se quer – ou se espera – quando viaja para a Índia: cores, pessoas, trânsito tumultuado, vacas passeando pelas ruas, forte maravilhoso, construções antigas, comidas deliciosas…!

Como chegar em Jodhpur

Chegando na cidade

Nós chegamos em Jodhpur de ônibus, depois de cinco horas de viagem partindo de Udaipur. Nossos assentos eram comuns, com poltronas reclináveis e até confortáveis, e o ônibus tinha também cabines no estilo “sleeper”. Pagamos cada um 250 rúpias (13 reais).

Já leu nosso post sobre Udaipur? Clique aqui para saber sobre a cidade dos lagos.

Dependendo da sua cidade de origem, você poderá chegar em Jodhpur de avião ou de trem. Porém comprar passagem de trem na Índia não é tão fácil como se pode imaginar. É preciso fazer um cadastro com vários dados, incluindo número de telefone local e a aprovação não é imediata. Para comprar passagem de avião, confira os preços nas duas principais companhias low costs: IndiGo e JetAirways

Transporte em Jodhpur

O ônibus parou bem distante do nosso hotel, uma avenida da cidade. A primeira coisa que precisamos fazer foi lutar contra os motoristas de tuc tuc que já estavam à espera do ônibus e quase nos mataram de raiva pela insistência. Quando chegamos numa cidade, evitamos ao máximo pegar um tuc tuc de cara. Eles não ligam o taxímetro para turistas e quando não se tem a menor ideia de qual o preço justo para o trajeto, pegar um tuc tuc é garantido que irá pagar mais.

Andamos um pouco, viramos a esquina e conseguimos pedir um Uber. Porém, nossas experiências aqui na Índia estão nos mostrando que o serviço do Uber aqui é beemm diferente do que víamos no Brasil e em outros países. Depois do caos para chegar no aeroporto de Mumbai, dessa vez tivemos uma recusa do motorista em nos levar até o destino final.

O caminho indicado pelo mapa passava por dentro da área do mercado, e o motorista nos disse que não podia passar por ali. Esse é o tipo de coisa que esperamos de tuctucs, como aqueles golpes que falam que o hotel está fechado e tentam te levar para outro no qual eles ganham comissão… mas não esperávamos isso de um motorista de Uber!

Pedimos a ele que então desse a volta no mercado para conseguir chegar ao hotel, mas ele continuou insistindo para que descêssemos do carro ali. Quando saímos, ainda nos pediu para dar “5 stars”. Muita cara de pau, ne? O Uber custou 100 rúpias (5 reais) e os tuc tucs estavam tentando nos cobrar 200 rúpias.

Nos outros dias na cidade, chegamos a pegar um Uber, saindo do forte até a clock tower (custou 70 rúpias, ou seja, 3,50 reais) e um tuc tuc até a rodoviária (negociamos de 100 para 50 rúpias, o Uber sairia 70 rúpias).

Onde ficar em Jodhpur

Jodhpur é a segunda maior cidade do estado do Rajastão, e escolher a melhor região para hospedar pode parecer um pouco difícil para quem nunca esteve na cidade. Mas chegando aqui, tudo parece mais fácil: você quer ficar perto da clock tower, a região antiga da cidade.

LEIA TAMBÉM:   Delhi além do caos

Na old town, as ruelas te fariam achar que está numa cidadezinha perdida no tempo, não fossem os tuc tucs, motos e pessoas que deixam tudo com aquele clima agitado e caótico típico da Índia. Isso além das vacas, que passeiam e descansam despreocupadamente pela cidade.

 Nós ficamos no HosteLavie, bem no coração da old town. O hostel conta com quartos privativos e compartilhados, todos com ar condicionado, banheiro e uma decoração descontraída. 

Assim como em outros hotéis e até mesmo restaurantes na Índia, a internet é lenta, por isso a melhor coisa a se fazer é comprar um pacote de dados de uma operadora local assim que chegar ao país. 

O rooftop do hostel tem uma decoração super legal, com pufes e cadeiras diferentes, além de jogos como jenga e uno. É um espaço gostoso para interagir e relaxar, assistindo o anoitecer e o forte iluminado.

Ali também funciona um café e você pode pedir alguma bebida, mas não achamos ser o melhor lugar para comer, já que o hostel fica perto de restaurantes ótimos com preços bem acessíveis.

Quanto dias ficar em Jodhpur

Dois dias inteiros são suficientes para conhecer as principais atrações da cidade.

O que fazer em Jodhpur

Forte Mehrangarh

Atração mais famosa de Jodhpur, o forte já foi a peça fundamental para a proteção da cidade, impedindo a invasão dos inimigos. Hoje, o palácio funciona apenas como museu, não servindo mais de moradia do Maharaja.

O ingresso já inclui o audioguide disponível em várias línguas (entre elas, Espanhol e Inglês) e é super interessante caminhar pelo pátio, passar pelos salões e subir as escadarias, enquanto escuta sobre como era a vida ali e as explicações sobre as peças expostas.

Se você for caminhando para o forte, como a gente fez, ao invés de pegar um tuc tuc, talvez você chegue pela, digamos, porta dos fundos. Nesse caso, vá perguntando para os seguranças onde é a bilheteria, que fica perto da entrada oficial. Nós passamos direto e tivemos que descer toda a rampa para comprar os tickets e depois subir tudo de volta.

Horário: 09:00 às 17:00 horas
Valor: a entrada custa hoje 600 rúpias (30reais) e, para poder tirar fotos dentro do palácio você deve comprar uma permissão no valor de 100 rúpias (5 reais).

Sardar Market e Clock Tower

O Sadar Market é exatamente o que você deve imaginar de um mercado a céu aberto na Índia: um lugar cheio, sujo (para os nossos padrões), onde um pouco de tudo é vendido em barraquinhas que se misturam a motos, tuc tucs e vacas. Por não ser um daqueles mercados feitos para turistas, é ótimo lugar para observar as pessoas e seus costumes. No centro do mercado fica a clock tower, uma torre construída pelo Maharaja Sardar Singh.

É dentro do mercado que fica a mais famosa loja de lassi (bebida a base de iogurte), chamada Shri Mishrilal Hotel. A fachada é bem feinha e o atendimento nada caloroso, mas diz a lenda que a receita desse lassi é mega cobiçada. Foi ali que tomamos nosso primeiro lassi e confesso que achamos o gosto meio estranho, mas queremos experimentar outros para tirar a prova. De qualquer forma, por ser uma bebida típica e bem indicada por tanta gente – além de ser super baratinho, só 35 rúpias (menos de 2 reais) – achamos que todo mundo deve experimentar!

LEIA TAMBÉM:   O mundo segundo os brasileiros

Valor: entrada gratuita

Toorji ka Jhalra Step Well

 A água é o recurso mais valioso no deserto e armazená-la é ao mesmo tempo um desafio de engenharia e uma obra de arte quanto a sua arquitetura. A única fonte natural de água de Jodhpur foi, até a década de 1950, a água de chuva e a cidade contava com a estrutura mais complexa da Índia de captação, gerenciamento e distribuição. Os step wells funcionavam, também, como um refúgio refrescante contra o calor do deserto.

Com a canalização de um rio, o abastecimento de água deixou de depender da chuva e das suas estruturas de armazenamento. Os step wells se tornaram inúteis e foram deixados de lado por muito tempo. Porém, recentemente, foram recuperados e, além de retomarem o seu papel de espaço comunitário, ganharam um valor turístico.

O step well Toorji ka Jhalra fica no coração da old town, muito fácil de ser encontrado e vale ao menos uma rápida visita. Mas o melhor mesmo é sentar na escadaria e relaxar imaginando toda a história daquele lugar. Se tiver sorte, poderá ver algum indiano se refrescando ali ou jogando comida para os peixes.

Valor: entrada gratuita.

Assistir ao por do sol no rooftop e ver o forte iluminado

Durante algumas horas da noite, a iluminação do Forte Mehrangarh é acessa e ele consegue ficar ainda mais impressionante que durante o dia. Então escolha o rooftop de um café ou restaurante (percebemos que aqui na Índia os estabelecimentos adoram ter um rooftop! rsrs), pegue a sua bebida, aproveite o entardecer e se prepare para a visão imponente do forte iluminado.

 O HosteLavie, onde ficamos hospedados, tem um café no rooftop com mesas, sofás e pufes, um ambiente super gostoso e com uma vista privilegiada do forte. Amamos!

Outros passeios

Alguns outros passeios que não fizemos mas que você pode incluir em seu roteiro:

  • Umaid Bhawan Palace
  • Jaswant Thada
  • Flying Fox Jodhpur

Onde comer em Jodhpur

Em Udaipur começamos a realmente apreciar a comida indiana e em Jodhpur continuamos a experimentar pratos diferentes, seguindo a dieta vegetariana.

Gostamos muito de dois restaurantes que ficavam pertinho do nosso hotel, ou seja, bem próximo à Clock Tower: Jhankar  e Ravla. Os dois tem um ambiente super agradável e a decoração é até parecida, com mesas no jardim. Uma refeição para duas pessoas com bebida (prato + pãozinho + refrigerante) pode sair entre 500 e 700 rúpias, já com as taxas (entre 25 e 35 reais).

Se quiser variar um pouco da típica comida indiana, o Veggy Burguer do Jhankar é delicioso! Ah, e se você não gostar muito de pimenta, não esqueça de falar para o garçom que quer “no spice”.

 

Depois de Udaipur, seguimos viagem para Pushkar, a cidade sagrada do Rajastão.

 

*Ficamos hospedados no Hotel através de uma parceria com a Travel Sense India e o Hostelavie. Este review representa a nossa experiência e seu conteúdo é autentico e imparcial. 

Write A Comment