O dia 29 de cada mês passou a ser uma data super especial desde que compramos nossas passagens de ida para Bogotá, em janeiro de 2016. Durante um tempo, esse dia representou mais um risco no calendário, uma contagem regressiva rumo à sonhada lua de mel pelo mundo.

Em Agosto de 2016, dia 29 foi o grande dia: despedimos de nossas famílias, dos amigos e do nosso país para conhecer o mundo! Desde então comemoramos nesse dia o fechamento de mais um mês na estrada.

Pode parecer bobeira, visto de fora, mas pra gente esse dia representa muita coisa. Sonhar com uma volta ao mundo é fácil, mas tomar coragem de transformar o sonho em realidade foi difícil! Já contamos por aqui sobre as renúncias que tivemos que fazer durante os quase 12 meses de planejamento e também sobre as coisas que estamos perdendo por estar fora do Brasil. Sentimos saudades de nossas famílias, dos amigos e, algumas vezes, do nosso apartamento em BH.

Quanto custa uma volta ao mundo

Manter o blog e as redes sociais atualizados é também um desafio e ainda estamos tentando encontrar o equilíbrio entre trabalho e viagem. É bem mais difícil do que imaginamos, mas também é muito gostoso receber mensagem de alguém que acompanha a nossa viagem perguntando sobre a nossa viagem, nosso planejamento ou falando que nós somos uma inspiração!

Antes de falarmos dos gastos desse mês, convidamos a quem ainda não leu os posts anteriores, clicar aqui para ler o post do primeiro mês e aqui para ler o do segundo mês. Neles explicamos um pouco mais sobre a nossa metodologia, nosso orçamento diário e quais foram os gastos até então.

Quanto custa uma volta ao mundo (terceiro mês)

Nosso terceiro mês foi quase todo no México, onde achamos que conseguiríamos recuperar um pouco da nossa dívida, mas conseguimos apenas ficar certinho dentro do nosso orçamento: nossa média diária esse mês foi de 48,51 dólares.

total

Nesse último mês usamos muito o Couchsurfing e foi ótimo! Sim, poderíamos ter economizado mais quando não estávamos gastando com hospedagem, e talvez é o que deveríamos ter feito. Mas com tanta coisa interessante pra fazer e com a companhia de ótimas pessoas que conhecemos, preferimos aproveitar do que economizar.

MÉXICO

quanto custa viajar pelo mexico

San Cristobal

O terceiro mês da nossa lua de mel começou em San Cristobal, uma cidade super charmosa! Foi lá que começamos a entender a complexidade da culinária mexicana e como ela é diferente da ideia que tínhamos no Brasil. De lá, fizemos um tour para o Canyon Sumidero, um lugar maravilhoso e diferente de tudo que já havíamos visto!

Nossos gastos em dólares nos quatro dias que passamos lá foram de:

– alimentação: $25,53
– hospedagem: $51,26
– transporte (taxi): $1,00
– lazer (garrafa de tequila): $1,31
– turismo (Canyon Sumidero): $22,11
– outros (lavanderia, tripé, chip de celular…): $39,38

Incluindo a cota de passagem diária (que explicamos no post do primeiro mês) chegamos ao total de 213,95 dólares.

Oaxaca

Nosso segundo destino foi Oaxaca, cidade que escolhemos para passar o Día de Muertos. Foi super interessante ver como as pessoas dessa região celebram essa data: como acreditam que as pessoas queridas que já faleceram retornam para visitá-los, esse é um dia de festa, de ouvir músicas, beber, comer e oferecer à pessoa tudo o que ela mais gostava enquanto viva.

LEIA TAMBÉM:   Quase não chegamos no México

Aproveitamos o movimento da cidade e que ela tem tanto a oferecer e não fizemos nenhum passeio, apesar de terem vários lugares lindos por perto. É um daqueles destinos que vamos ter que voltar com mais tempo (e dinheiro) depois.

Nossos gastos em dólares nos quatro dias que passamos lá foram:

– alimentação: $25,48
– hospedagem: $86,40

– transporte (taxi): $3,02
– lazer (experimentando mezcal): $5,28
– outros (maquiagem de dia dos mortos, coroa de flores…): $5,43

Incluindo a cota de passagem diária chegamos ao total de 198,97 dólares.

Puebla

Puebla foi mais um daqueles destinos que não estava em nossos planos iniciais, mas incluímos depois de tantos elogios que ouvimos. E não nos arrependemos! A cidade tem um centro histórico super charmoso e feirinhas, várias igrejas e uma culinária incrível.

É pertinho de Puebla (mais especificamente em Cholula) que ficam as pirâmides de Tlachihualtepetl, que fomos conhecer com o Pepe, nosso host pelo Couchsurfing. Foi super legal fazer esse passeio com ele: primeiro tomamos café em um restaurante delicioso, com vista para as pirâmides, depois conhecemos Tlachihualtepetl e ainda passeamos pela cidade.

Nossos gastos em dólares nos quatro dias que passamos lá, foram de:

– alimentação: $34,01
– hospedagem: $46,00
– transporte (taxi, uber, onibus): 8,79

– turismo (pirâmides): $9,80
– outros (pastilha para tosse, fita dupla face): $2,21

Incluindo a cota de passagem diária chegamos ao total de 174,18 dólares.

Cidade do México

Nossos dias pela Cidade do México foram ótimos! Não só porque a cidade tem muito a oferecer em termos de história e de atrativos, mas porque conhecemos pessoas super legais! Primeiro, o Ignácio, que conhecemos através da Babi (uma viajante que conhecemos pelo Instagram), que nos ajudou com hospedagem para os primeiros dias e los levou para passear pelo centro.

Na segunda metade dos nossos dias pela CDMX, ficamos hospedados pelo Couchsurfing na casa de um casal super legal, Iris e Angel, que nos apresentaram o pulque (bebida feita da mesma planta que a tequila) e nos levaram para uma festinha na casa de um amigo.

Fizemos um free walking tour pelo centro da cidade e adoramos conhecer o Museu de Antropologia, mas o passeio mais sensacional foi, com certeza, as Pirâmides de Teotihuacan!

Nossos gastos em dólares nos seis dias que passamos lá, incluindo a cota de passagem diária, foram:

– alimentação: $79,94
– hospedagem: $0,00
– transporte (uber, metro, ônibus): 11,83

– lazer (cervejas): $6,98
– turismo (museu de antropologia, castelo, pirâmides): $28,84
– outros (tampa para máquina fotográfica, touca e luva): $12,06

LEIA TAMBÉM:   O que fazer em Ayutthaya

Incluindo a cota diária de passagem, chegamos ao total de 249,72 dólares.

Riviera Maya

Não podíamos sair do México sem conhecer as famosas praias da Riviera Maya. Como nosso voo para Madri saia de Cancun, ficamos alguns dias na cidade, onde tivemos nossa última experiência com Couchsurfing no México: fomos recebidos pelo Cesar, um mexicano que adora Raul Seixas. Ele nos levou para conhecer algumas praias super bonitas e nos ofereceu café da manhã típico; em retribuição, cozinhamos nosso tradicional strogonoff de frango.

Passamos, também, alguns dias em Playa del Carmen e conhecemos as Ruínas de Tulum.

Nossos gastos em dólares nos cinco dias que passamos lá foram de:

– alimentação: $76,87
– hospedagem: $78,00
– transporte (uber, taxi, ônibus): $35,52

– turismo (passeio em Isla Mujeres, ruinas de Tulum): $71,21
– outros (presentes, taxa de saída): $22,01

Incluindo a cota de passagem diária, chegamos ao total de  412,01 dólares.

ESPANHA

esp

Madri

Quando estávamos pesquisando a melhor forma de sair do México e ir para a Tailândia, encontramos uma passagem com preço muito bom indo para Madri e, de lá, também achamos uma passagem bacana para a Tailândia.

Nossa passagem pela cidade foi super rápida e estava muito mais frio do que nossas roupas aguentavam. Ainda assim, conseguimos passear um pouquinho e fomos recebidos pela primeira vez por brasileiros: a Lígia é amiga da irmã da Thaís e ela e sua família nos receberam com muito carinho!

Nossos gastos em dólares nos dois dias que passamos lá, somados com o dia que passamos voando para a Tailândia, foram de:

– alimentação: $45,84
– hospedagem: $0,00
– transporte (uber, metrô): $36,26

Incluindo a cota de passagem diária, chegamos ao total de 137,39 dólares.

TAILÂNDIA

Tailandia


Bangkok

Chegamos em Bangkok no final do nosso terceiro mês e percebemos duas coisas: aqui é possível economizar se não cairmos na tentação de comprar as várias coisinhas baratas que vemos o tempo todo por ai. Compramos chip de celular e um pau de selfie (o nosso que veio do Brasil estragou e a verdade é que, viajando de casal, é um item necessário para termos alguma foto bonitinha juntos). Agora temos que nos segurar.

Porém, para economizar, vamos ter que ter paciência e dedicação: o que é barato são as comidas típicas, vendidas nas barraquinhas e carrinhos na rua, mas a comunicação nem sempre é fácil e as vezes acabamos pedindo alguma coisa que não gostamos de jeito nenhum – e ai, gastamos novamente em outro lugar!

Nossos gastos em dólares nos nossos cinco primeiros dias foram de:

– alimentação: $45,17
– hospedagem: $68,00

– lazer (cerveja, escorpião): $4,71
– outros (chip de celular, blusa, pau de selfie): $32,00

Somando a cota diária de hospedagem, chegamos ao total de 254,61 dólares.

Em resumo, esse foi o nosso terceiro mês. Ainda temos muito a escrever sobre os passeios que fizemos e vamos atualizar os links por aqui. Se tiver alguma dúvida, é só comentar aqui embaixo!

Write A Comment