O Vietnã foi o primeiro país da nossa lua de mel a exigir a emissão de visto anterior à entrada no país. Como viajantes brasileiros ou aqueles que vivem no exterior podem aplicar para o visto vietnamita em qualquer país que possua uma Embaixada do Vietnã, nós escolhemos fazer na Tailândia.

O consulado do Vietnã no Brasil fica em Brasília, então teríamos duas opções: viajar até lá ou fazer o procedimento pelos Correios – e assumir o risco de um extravio. Apesar de termos lido vários relatos de viajantes que fizeram e recomendam a solicitação pelos Correios, achamos as orientações do site do Consulado bem confusas.

Mas o mais importante é que a solicitação de visto pode ser realizada com antecedência máxima de 6 meses antes da data da viagem, então para dar certo pra gente, teríamos que deixar para solicitar bem próximo da data de saída do Brasil, correndo o risco de dar alguma coisa errada, ter alguma greve nos Correios e tal.

Chegamos em Bangkok numa sexta feira, então na segunda logo cedo fomos para a Embaixada Vietnamita, que fica na Wireless Road (Soi Wittayu), no centro de Bangkok.

Ir para o consulado é tranquilo, nós fomos de ônibus e só tivemos uma pequena dificuldade para pagar: tivemos que pedir ajuda a alguns passageiros até entender que o preço variava dependendo de onde iríamos descer; entendido isso, mostramos o mapa e nos falaram o valor, 13 bahts cada (o equivalente a 0,40 dólar). Dependendo de onde você estiver hospedado, pode ser uma boa opção pegar o BTS Skytrain, descendo em Phloen Chit.

A casa onde funciona a embaixada fica um pouco ofuscada por todos os prédios altos e modernos – tão diferentes da China Town ou e da Khao San Road que você se sente em outra cidade!

dsc_6254

Chegamos pouco depois do horário de início, às 09:30, e o lugar já estava bem movimentado, então é é realmente melhor não deixar para a tarde. De acordo com o quadro de horários atual, os vistos podem ser solicitados de 09:00 às 11:30 e de 14:00 às 16:00; já a retirada pode ser feita entre 16:00 e 17:00 horas.

LEIA TAMBÉM:   Dicas de Chiang Mai

O procedimento é todo bem simples: entrando na sala, você pega um formulário em uma das mesas, preenche, cola uma foto e vai para a fila. Você entrega o formulário e seu passaporte para o atendente; se as informações estiverem todas corretas, é só fazer o pagamento e pegar o recibo com a data e horário da retirada. Deixar o passaporte lá da um certo medinho, mas é isso mesmo!

20161128_094757

Para o visto de uma única entrada, o período máximo de permanência é de um mês, sendo que, no formulário, já são preenchidas as datas de entrada e saída do país que constarão no visto.

Pagamos uma taxa de solicitação de 2.400 bahts (o equivalente a 68 dólares) por visto para buscarmos em 3 dias. O pagamento é apenas em bahts e, como pode sofrer alterações, recomendamos levar um pouco mais. Havíamos lido em alguns sites que existe a opção de pagar mais caro para buscar no dia seguinte, mas não nos deram essa opção.

O formulário pede informações sobre seu contato no país; nos não possuímos nenhum e não tivemos problema em deixar em branco esse dado. Outro ponto importante é que vimos que nas orientações da Embaixada no Brasil são solicitados os dados das passagens de entrada e saída; isso não nos foi pedido na Tailândia (sorte nossa, porque não compramos ainda), mas eventualmente pode ser um impedimento.

Lemos alguns sites falando sobre serem necessárias duas fotos; nós levamos algumas por precaução, mas foi preciso apresentar apenas uma. Se você não tiver fotos 3×4, pode tirar em um centrinho comercial chamado Embassy Park Plaza que existe na Phloen Chit.

Uma coisa muito importante é que vimos em diversos lugares falando sobre visto na chegada (visa on arrival) e procedimentos de emissão por sites. Porém, tanto a Embaixada no Brasil como a na Tailândia informam que não recomendam e não se responsabilizam por esses procedimentos (inclusive o website chamado myvietnamvisa.com), uma vez que a forma legal é por meio das Embaixadas.

LEIA TAMBÉM:   Quanto Custa uma Volta ao Mundo (#7)

No dia agendado, chegamos lá às 16:30 e levamos um susto ao nos deparar com a porta fechada. Tocamos o interfone e um funcionário abriu a porta pra gente. Dentro da embaixada, enfrentamos uma fila pequena e, em poucos minutos, estávamos com os passaportes em mãos. Mas, para evitar surpresas e não correr o risco de ter que voltar no dia seguinte, acho melhor chegar lá antes das 16:00 horas.

Write A Comment